Não suporto meu chefe, o que eu faço?

Não suportar o chefe é uma situação difícil de sustentarmos por muito tempo. Então, se você vive este conflito, trate de administrá-lo o quanto antes. E, como não temos o poder de mudar as pessoas, sua alternativa é mudar a si mesmo. Para isso, é preciso investigar os fatores de discordância entre vocês e realinhá-los.

Para apoiá-lo neste desafio, vamos mostrar a seguir alguns pontos que você precisa considerar:

Desde o início da relação entre vocês existe este desconforto ou houve algum momento em que isso não existia?

O que ele faz que lhe incomoda? Essas ações são direcionadas à você ou à outras pessoas?

Em algum momento você chegou a conversar com ele e expor seu ponto de vista e ele recusou ouvir?

Você nota diferença na gestão dele em relação à você e aos outros membros da equipe? Se positivo, qual ação ele adotou com outra pessoa e na mesma oportunidade que teve contigo fez diferente?

Este é o seu primeiro chefe insuportável ou existiram outros em sua carreira?

Responder às perguntas acima lhe ajuda a racionalizar os fatos, ou seja, deixar as emoções de lado. E, com base nestas informações, siga para a próxima fase em busca de ressignificar os fatos. Adianto que, isso exige um grande comprometimento e disposição da sua parte, pois haverá momentos em que será necessário a sua mudança de comportamento. Normalmente, os profissionais só conseguem avançar este nível, se de fato enxergarem ganhos em se manter no emprego e gostarem da empresa mesmo diante desta situação.

Veja a seguir possibilidades que talvez não esteja percebendo nas cinco situações acima:

Se desde o começo da relação existe este desconforto, possivelmente seu chefe tem um perfil comportamental oposto ao seu e você não está sabendo lidar com isso, pois sente que aceitar o jeito dele é renegar suas próprias crenças e valores. Porém, se o conflito aconteceu num determinado momento e antes a relação era normal, pode ocorrer de você ter se sentido desvalorizado ou prejudicado por uma ação que ele tenha tomado. Em ambos os casos, existem grandes chances de não existir a intenção do seu chefe em prejudica-lo e também dele ignorar seu incômodo.

Muitos profissionais se incomodam pelas ações do seu chefe com seus colegas, porém nunca viveram um conflito com o mesmo. Este é um ponto delicado, pois quando você toma partido das dores alheias, isso significa que está nas suas mãos o poder de solucionar o problema, fato que neste caso, não é real! Como um bom amigo, você pode sugerir alternativas para o seu colega ou simplesmente tentar tirar seu foco do estresse nos momentos de maiores conflitos, afinal este é um assunto dele, não seu.

Existem muitos conflitos que ficam velados, ou seja, as pessoas não conversam, acumulam desconfortos até que fica impossível a convivência. Outras, até tentam expor, mas não sabem escolher o momento oportuno ou levam muita emoção negativa para a conversa, causando uma resistência instantânea na outra pessoa.

Se de fato existiu a mesma situação com tomadas de decisões diferentes, em que um foi privilegiado e o outro não, há um erro por parte da gestão. É importante o colaborador que se sentiu injustiçado expor como se sente para seu chefe e buscar entender o que houve. Em muitos casos, o gestor não pode replicar o privilégio, pois as situações ocorreram em momentos diferentes e a demanda da empresa não permitiu.

Entender seu histórico de relações com seus superiores traz a compreensão de algumas características do seu perfil. Algumas pessoas tem um perfil mais autônomo e sênior e dependendo da sua inteligência emocional, ficam resistentes quando recebem ordens diferentes daquilo que entendem como correto. Numa organização, às vezes é possível que decisões opostas levem ao mesmo caminho.

Se por acaso, em todos os cinco itens você discordou das considerações e acredita que realmente está sofrendo uma perseguição sem motivos aparentes, já falou com seu chefe, mas ele fez pouco caso da sua situação e deixou declarado o conflito entre vocês. A última alternativa, seria você expor o fato ao RH (Leia também: Seja um RH Estratégico, com ou sem budget!) da empresa ou ao superior do seu chefe, contudo, sem garantias de que as coisas mudarão. E, se este for o seu momento e você não vê alternativas para ele, é importante que se prepare para buscar novos caminhos no mercado de trabalho, certamente haverá um lugar melhor para você!

Espero que tenha gostado do texto desta semana. Lembre-se que, se precisar de um auxílio profissional, estamos prontos para lhe apoiar!

Confira nossos cursos e serviços, cadastre seu e-mail em nosso site e receba nossa newsletter.

Quer saber mais? Acesse nosso site e descubra o que podemos lhe oferecer!

Recommended Posts

Leave a Comment