Carreira: Estabilidade ou Estagnação?

 

Há alguns anos o quesito estabilidade era primordial para um bom currículo profissional, eu mesma trabalhei por 12 anos no meu terceiro emprego. Na geração dos meus pais as pessoas que ficavam por toda a carreira em uma única empresa eram consideradas bem sucedidas em suas vidas profissionais, hoje, na Era da Tecnologia, a maioria dos profissionais fica no máximo 5 anos em um mesmo emprego, especialmente os mais jovens, com menos de 30 anos. E acredito que, com a Reforma Trabalhista e o trabalho intermitente este processo será ainda mais dinâmico!

Porém, você leitor pode estar se perguntando, ser estável num emprego garante vantagens na hora da seleção? Bom, para responder essa pergunta vamos esclarecer o título deste texto, afinal, em tempos contemporâneos precisamos entender se a aparente estabilidade de um CV não esconde uma verdadeira estagnação. Vejamos a definição de estagnação:

Estagnação: Condição ou estado do que se encontra estagnado; que não flui nem se movimenta. Não existe progressão; que não progride ou evolui; ausência completa de atividade ou movimento; paralisação. Circunstância em que não há crescimento ou evolução.

Com base nessa explicação, posso afirmar que, já entrevistei diversos profissionais que demonstravam dinamismo ao trocar de emprego, mas total estagnação de carreira, ou seja, sem crescimento. E, vale a pena esclarecer, que não falo de mudanças verticais de cargo, nem de área, pois é extremamente possível alguém evoluir estes aspectos em uma carreira.
Portanto, quando um profissional de RH entrevista um candidato, ele analisa primeiramente a Carreira do profissional, não o Emprego. A carreira é sua história, formação, reciclagens, fontes de atualização cotidiana e propósito. Os empregos, que são as empresas pelas quais ele passou, também são importantes nesta avaliação, mas não tem o mesmo peso.

É importante ressaltar que, nenhuma empresa pode demitir um profissional de sua carreira, apenas de seu emprego, assim como, nenhum contrato de trabalho, mesmo que seja com uma das “10 melhores empresas para se trabalhar” defini um profissional. Principalmente nos dias de hoje, onde são raríssimas as empresas que mantêm planos de carreira, o que prevalece é a meritocracia.

Sendo assim, respondendo a importante pergunta do segundo parágrafo: – Não, ser apenas “estável em um emprego”, não garante vantagens no processo de seleção. E, se acidentalmente um requisitante de vaga excluir um CV recrutado, se baseando exclusivamente na data de entrada saída, por favor, caro colega de RH, perdoe essa atitude leiga e ressignifique imediatamente essa crença! Se possível, só envolva o requisitante da vaga no processo após você ter conhecido os candidatos e ter um parecer estruturado sobre os mesmos.

E, para desmistificar de vez este assunto, se um profissional está satisfeito com a empresa que trabalha, seja ela grande, média ou pequena, se o mesmo continua evoluindo em sua carreira, não existe motivo para ele abandoná-la, portanto, tenham cuidado com este paradigma.

Para encerrar, como sabemos se um profissional cuida bem de sua carreira? O segredo está em avaliar se o mesmo possui algumas competências inerentes à este ciclo e buscar em sua história profissional a presença das mesmas. Veja quais são essas competências:

  1. Autoconhecimento: reconhecer a origem das suas próprias emoções, entender seu temperamento, frustrações, limitações e fortalezas.
  2. Controle Emocional: saber como lidar com as emoções de forma construtiva, a seu favor e com respeito ao outro. Negociar com seus desejos para ser mais assertivo em suas realizações.
  3. Automotivação: não esperar o inusitado para se sentir bem, ser realista, mas também esperançoso.
  4. Empatia: entender as ações do outro, mesmo quando não concordar com elas, respeitar decisões opostas e, sempre que possível, ajudar ao invés de julgar.
  5. Resiliência: enfrentar tempestades sabendo usar raios e trovões a seu favor, sem perder o equilíbrio e tendo presença de espírito em situações que a maioria travaria.

Então, não tenha medo de ser estável, desde que esteja evoluindo ou fuja da zona de conforto e mude se perceber que está estagnado! Achou complexo, não sabe definir em que momento está? Fale conosco, podemos apoiá-lo neste análise.

Fique de olho em nossos cursos, palestras e curta a nossa empresa nas redes sociais, todos são desenvolvidos cuidadosamente para auxiliá-los neste ciclo de evolução. 😉

Recommended Posts

Leave a Comment